Brasil fica em 5° lugar em competição hacker contra 75 países

A Cyberlympics 2017 aconteceu em Amsterdã, na Holanda, durante essa semana, com a final sendo realizada na quarta-feira (27). Enquanto os anfitriões ficaram em primeiro lugar, a boa notícia é que o Brasil abocanhou a quinta colocação e o primeiro lugar da América Latina.
O Brasil conseguiu o 5° lugar por causa da H3x Pr0ph3ts, equipe da empresa de cibersegurança Morphus Labs. Além da H3x Pr0ph3ts, o Exército Brasileiro marcou presença com a equipe Proteus, ficando em 11° lugar — e em segundo na América Latina.
O Brasil vem se firmando como potência global quando falamos sobre hacking
De acordo com o pessoal da Morphus, "a Cyberlympics é uma competição global de hacking, e as provas são no estilo Capture The Flag (CTF). A equipe H3x Pr0ph3ts enfrentou times da Rússia, Estados Unidos e de outros países".
Na Cyberlympics deste ano, quase 200 equipes estavam disputando o torneio. "O jogo começou com um desafio físico, no qual os participantes precisavam abrir um cadeado sem nenhuma ferramenta, além de ler uma tarja de cartão de crédito com as mãos. Sem nada digital ou leitor apropriado. Esse era o desafio para entrar no jogo e apenas metade das equipes fizeram", explica Pedro Prudêncio, que é Diretor da Morphus.
Um perto de um sinalH3x Pr0ph3ts
Os desafios realizados no campeonato envolvem uma série de desafios em áreas diversas, como Forense Digital, Exploração de Aplicações Web, Análise de Malware, Engenharia Reversa, Criptografia etc.
O Capture the Flag (CTF ou "Capture a bandeira) é uma das competições mais presentes nos eventos hackers pelo mundo. É uma competição que reúne diversos desafios de Segurança da Informação, os quais misturam diversos tipos de conhecimento e tecnologias, podendo variar entre diversos temas.
No CTF, vence a equipe que juntar mais pontos ao capturar bandeiras
Normalmente, os CTF são organizados no modelo "pergunta e resposta": um competidor é desafiado a resolver um problema dentro de uma das categorias escolhidas e deve submeter ao sistema uma resposta — também chamada de "flag" — para ganhar e acumular pontos. Ao final, vence o desafiante ou a equipe que juntar mais pontos.
A equipe da Morphus que disputou a Cyberlympics 2017 é formada pelos seguintes hackers: Juan Carlo Arruda Veloso Morais, Saulo Rangel Ferreira Hachem, Rodrigo Lacerda Magalhães, Pedro Prudêncio, Leandro Jales Martins e Danilo Salles.
Morphus LabsEquipes da Morphus Labs

Nenhum comentário